Cajazeiras: motoristas reclamam que guardas aplicam multas ‘na moita’

Por:

transito pAs reclamações não são novas e não chegam a ser incomuns. Motoristas notificados por infrações no trânsito reclamam que agentes da Superintendência Cajazereirense de Transportes e Trânsito –SCTRANS- deixam de orientar para apenas multar. Como se não bastasse, os guardas de trânsito, responsáveis por fazer valer o Código de Trânsito Brasileiro, também são comumente acusados de exercer suas atividades às escondidas – atrás de árvores, postes e placas.

Nesta segunda-feira (11), vários motoristas foram multados quando deixaram seus veículos estacionados ao lado do banco do Nordeste, no local não há placas de sinalização que orientando os motoristas a não estacionarem seus veículos no local, mesmo assim vários motoristas, ao chegarem em seus carros, se depararam com uma notificação de multa.

Um dos motoristas conhecido como, Leandro Braga, disse que quando estava próximo de chegar ao seu veículo avistou um agente colocando o papel de notificação no para brisa de seu carro e saiu rapidamente sem dar qualquer explicação. Um dos carros de reportagem do Radar Sertanejo, que também estava estacionado no mesmo local, foi multado indevidamente por um agente, conhecido como, Francisco Saraiva.

Outro motorista disse que estacionou seu carro no horário permitido, conforme a placa que fica em frente ao colégio Nossa, Senhora Do Carmo, mesmo assim foi multado por estacionar em local/horário proibido pela sinalização [placa de proibido estacionar]. O motorista contesta e diz que vai recorrer da multa e processar o agente por abuso. Outros motoristas também estão revoltados.

DIÁLOGO
Para um taxista que também foi multado no local, os agentes de trânsito de Cajazeiras deveriam ser mais flexíveis e ‘abertos ao diálogo e orientação’. ‘Pergunte para qualquer taxista aqui e você vai ouvir a mesma coisa. Cada um tem uma história de uma multa de guardinha que fica na moita. Eles não falam nada. Ficam parados no ponto só para multar’, diz

Ele mesmo afirma ter sido vítima por mais de uma vez dos ‘agentes de trânsito camuflados’. ‘Na esquina da comandante Vital, por exemplo, sempre tem guardinhas. Tudo bem que eles estão fazendo o trabalho deles e multando quem avança os sinais, mas quando falta energia, e o sinal apaga, não fica nenhum dos dois para orientar o cruzamento’, reclama.

Notícias relacionadas:

Cultura
Política
Paraíba