Aprendiz de Vereador: vagas para estágio-visita em gabinetes serão divulgadas até sexta (15)

Por:

Até esta sexta-feira (15), a Escola do Legislativo Professor Celso Furtado, da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), vai lançar edital para que os gabinetes dos parlamentares ofereçam vagas para o programa de estágio-visita, não-remunerado, ‘Aprendiz de Vereador’. Estão previstas duas turmas para este semestre, que devem ter atividades entre maio e junho.

Cada turma proporciona três semanas de vivências nos gabinetes parlamentares para estudantes de qualquer curso do ensino superior ou pós-graduação. Após conhecerem as rotinas do Legislativo Pessoense, no final do processo, os estagiários devem sugerir um projeto de melhoria para a cidade, que pode resultar em um projeto lei.

“Acertamos que até esta sexta-feira (15), vamos lançar edital para que os gabinetes de vereadores possam se inscrever no programa, manifestando o número de vagas de estágio que desejam ofertar. Após isso, lançaremos outro edital, previsto para o início de abril, desta vez para que estudantes submetam suas inscrições, elegendo turno e gabinete em que desejam realizar suas atividades”, informou o presidente da Escola do Legislativo da CMJP, Paulo Eduardo Sá Barreto.

Aprendizes de vereador terão mais atividades a cumprir

Uma das novidades para este ano é que a Escola do Legislativo da CMJP está articulando parcerias com a Escola Judiciária Eleitoral, do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), e com a Escola de Contas, do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB). Isso vai permitir que os aprendizes de vereador realizem, além das atividades na Câmara, visitas guiadas a essas instituições.

Em contrapartida, a Câmara receberá turmas de ensino médio que participam de projetos com o TCE-PB e o TRE-PB, dentro de outro programa da Escola do Legislativo, o ‘Escola na Câmara’.

Estágio-visita promoverá ação social

O ‘Aprendiz de Vereador’ continuará com ações sociais. As inscrições serão realizadas mediante a doação de 1kg de alimento como taxa de inscrição. “Com isso, conseguiremos um volume substancial de donativos que serão bem-vindos na instituição de caridade que elegermos”, comentou Paulo Eduardo.

Haryson Alves

Notícias relacionadas:

Cultura
Política
Política