REDE BOBO

“A massa mantém a marca, a marca mantém a mídia e a mídia controla a massa.”
George Orwell

Francisco Jarismar de Oliveira (Mazinho)|Colunista

Não se remove uma muralha no primeiro impacto. Ela é extensa e foi construída ao longo do tempo. Não se faz ruir um império de um dia para outro. Ele é influente e possui muitos defensores. Eis o tema para abertura de uma novela que vai dar muito ibope. O império midiático da Rede Globo, que ao longo dos anos atuou de forma venal na política, nos costumes, na vida e no cotidiano dos brasileiros sofre um primeiro e grande abalo. Campeã de audiência há décadas a emissora da família Marinho, que teve seus primeiros tijolos assentados após o golpe de 64 (a emissora foi inaugurada em 1965), sofre contundente abalo nos dias atuais. A delação do argentino – mui amigo! – Alejandro Buzarco, da Torneos y Competencias fez um furo no muro.

A denúncia da terça-feira, 14/11, alarma para o que muitos já sabiam: a Rede Globo e todo o seu conglomerado de mídia no Brasil não representam a pureza, a moralidade e a anticorrupção que tanto pautam em seus veículos midiáticos (leia-se Rede Globo, Infoglobo, Editora Globo, Sistema Globo de Rádio, Agência O Globo, Som Livre, Globosat, Globo.com, Globo Filmes), além de, segundo a Agência Nacional do Cinema – Ancine, ser proprietária de 61 canais na TV paga, o que equivale a 30% dos 199 à disposição dos “englobados”. Enfim, o grupo denunciado por corrupção, manda no mercado de comunicações nacional.

A rede Globo andou de braços dados com a ditadura militar, fato que assumiu a pouco tempo. Agiu com insuspeita imparcialidade em todas as eleições presidenciais no período pós-ditatura e nos últimos dois anos produziu o maior espetáculo de propaganda gratuita em favor da ilegalidade quando empunhou publicamente a bandeira do impedimento, sem crime, de uma presidenta eleita pela via democrática. A Globo entendeu que, nas suas contas, 54 milhões de votos valem menos que 51 milhões.

Uma das maiores devedoras da União (aproximadamente R$ 2 Bilhões), figura ainda entre as maiores sonegadoras de impostos (só na copa de 2002 foram sonegados 600 milhões, segundo a Receita Federal). A família Marinho, segundo a Forbes, é a família mais rica do Brasil, detentora de 5% do PIB nacional!!! A rede Globo é a maior emissora do país e a segunda no mundo (alguns brasileiros se orgulham desse fato!). Em nenhum outro lugar do planeta um império midiático se estabeleceu com tamanha envergadura. Mas o preço pela qualidade da “vênus platinada” tem custado muito caro ao povo brasileiro. E a sonegação fiscal é só uma gorjeta diante do desastre da alienação cultural.

Os brasileiros deixaram a Globo pensar por eles, falar por eles, agir por eles em troca do pirulito da fantasia televisiva: – A melhor qualidade é a da Globo! Os melhores artistas! Os melhores programas! Os melhores jornais! Os melhores narradores! Taí. São também excelentes sonegadores e agora vagam entre os acusados de corrupção. Ha 30 anos detêm os direitos junto à CBF na exibição do campeonato brasileiro e há mais de 20 é exclusiva na transmissão das copas para o Brasil, tudo negociado nas sombras. E tem mais, ano que vem tem mais um mundial e para os de 2026 e 2030 a Globo e a mexicana Televisa já propinaram, segundo Alejandro Buzarco, R$ 50 milhões para garantir o exclusivismo. Assim, para cada um milhão de telespectadores temos um milhão em propina e outro milhão em sonegação. Pois que a ausência de uma regulação da mídia, junto a manutenção de privilégios e impunidades para meia dúzia de famílias detentoras de toda a comunicação desta nação, torna esse país um estádio lotado a assistir e ovacionar gols em impedimento.

Finalizando, a Globo é um oligopólio que pisou na bola fora dos gramados brasileiros. E isso os juízes internacionais viram e estão erguendo seus cartões. Lá eles não anseiam pelas cenas dos próximos capítulos, nem fazem todas as contas para saber a posição dos times na tabela do brasileirão. A Globo vai se dar mal lá fora já, que aqui dentro os brasileiros, voluntariamente, fazem a compensação dos crimes com as emoções das telenovelas e a próxima rodada dos campeonatos carioca e paulista, porque assim a Globo lhes viciou.

FRANCISCO JARISMAR DE OLIVEIRA (Mazinho)
Licenciado em História pela UFPB
Servidor Público Federal do IFPB

Mazinho

Mazinho

Francisco Jarismar de Oliveira (Mazinho) é Licenciado em História pela UFCG; Especialista em Informática em Educação pela UFLA e Servidor Público Federal do IFPB.
[email protected]