Os salvadores da Pátria

Francisco Inacio Pita – colunista

A maioria dos pré-candidatos a prefeitos e a vereadores de nossa região estão em quarentena, aguardando o resultado oficial da data certa para a realização das eleições. Saindo a data correta e se as eleições forem realizadas este ano todos vão sair da quarentena, mas vão ter que usar muita artimanha para se livrar daqueles vivem na casa dos concorrentes no período eleitoral. Quem vai concorrer já sabe que precisa de dinheiro para doar aos seus seguidores, mesmo sendo contraditório pela justiça eleitoral, aparece eleitor para pedir ajuda de diversos tipos como: pagamento da taxa de água e luz, compra de medicamento, pneus para corro e moto, ajuda de todos os tipos e até um dinheirinho para tomar cachaça.
Os senhores e senhoras concorrentes vão sair da quarentena e começar a verdadeira visita na área urbana e nas comunidades rurais, não vai ficar nada que eles não participem como: velórios até de desconhecidos, novenas e renovações de santos, visitar os doentes, forró nas comunidades, jogos de futebol nos sítios, marcar presença em todos os povoados e distritos, serão afetuosos com todos, não importar a cor, idade e posição social, por fim, tudo será projetado com boas ideias e educação, e leva até a sua mulher orgulhosa de salto alto que passa a ser educada além da conta e o povo é que se cuide.

Faz-se necessária muita atenção por que não demora muito aparecer uma elevada quantidade de gente boa, aliás, todos os concorrentes se apresentam como bons, têm bons planos e a solução dos problemas de sua comunidade sem a mínima possibilidade de erros, o difícil é fazer depois que estiver no poder, o povo é sempre enganado pela maioria dos gestores e eles voltam de cara lisa e engana a população novamente com conversas bonitas e alguns recursos que sobram da sua desonestidade durante a administração. Até quando a sociedade em geral vai aceitar essas atrocidades, nosso povão é a maior fatia dos eleitores no Brasil e é sempre passado para traz. Devo lembrar que o voto oficialmente do rico e do pobre tem o mesmo valor numérico na hora do somatório final. Na reta final da história o pobre é sempre o mais prejudicado, por isso precisamos de união, formar associações comunitárias bem organizadas, associações de bairros e outros meios representativos para ter o direito de viver bem e poder solicitar de forma oficial recursos e benefícios para as nossas comunidades.

No meu observatório entendi que a maioria do povo faz diferente, por ser mal assistido durante o período administrativo por muitos gestores, recebem os restos dos recursos que lhe pertence e termina votando em corruptos, naqueles que já administraram mal e deixou o povo sem assistência a maioria do tempo da sua gestão. Se o povo não se organizar a “vaca vai para o brejo”. Quando eu falo de assistência, nunca imagino ajuda individual, os administradores devem beneficiar a todos e sem apadrinhamentos. Os legisladores como: Deputados Estadual e Federal e os Vereadores dos municípios precisam elaborem projetos que gere empregos e rendas. Após os projetos serem aprovados os senhores governadores e prefeitos precisam sancionar e transformar em lei de imediato e colocar em prática. Se tiver trabalho digno à população vai trabalhar e consegue o seu próprio sustento, só que os maus gerenciadores do dinheiro público têm medo de deixar o povo independente. Como o povo é mal assistido em suas gestões, fica sempre sob os seus domínios e eles vão mandar a vida inteira. E como diz os poetas repentistas: “nesse Brasil caboclo de mãe preta e pai João”.

O povão quer bem diferente, mas boa parte do próprio povo não se organiza para o seu próprio sucesso. A desorganização da aplicação dos recursos públicos por vários administradores e a prática do assistencialismo tem deixado uma parte da população sem assistência, e com isso, os administradores vêm no período de campanha eleitoral com ajuda paliativa e domina o voto do povo sofrido em todo o Brasil. Ajuda paliativa é mesmo que compra de voto, o povo não denuncia e a justiça eleitoral só entra em ação quando recebe denúncias, com isso eles fazem a festa e nunca são punidos na forma de lei.

A corrupção será extinta se o próprio eleitor aprender a escolher, não repetir o voto errado, pesquisar a vida dos concorrentes dias antes das eleições, desprezar o assistencialismo e cobrar antes os benefícios comunitários e assim por diante. A decisão em uma eleição depende da consciência de cada eleitor, o eleitor precisa ser independente e votar se realmente entender que o candidato escolhido tem bom projeto administrativo. Não vá contra a sua vontade, cuidado para não se tornar uma “MARIA VAI COM AS OUTRAS”, uma escolha mal feita deixará o seu município, o seu estado e o país mal assistido pelo período de quatro anos, você escolhe mal e todos pagam a conta. O assunto é sério e precisamos escolher o mais ideal para gerenciar os nossos recursos, na verdade, o dinheiro não pertence ao prefeito, nem ao governador e nem o presidente da república, são nossos impostos entregues para eles administrarem e mandar de volta de forma real e bem distribuído. Agora vem a pergunta: será que eles não ficam com a maior parte? Perguntar não ofende desde que a pergunta não atinja dignidade pessoal do indagado. Bom mesmo é você pesquisar e chegar a sua própria conclusão. Vamos ter cuidado na escolha e boa sorte.

Por Francisco Inacio Pita

Francisco Inacio Pita

Francisco Inacio Pita

 

Francisco Inácio de Lima Pita é Radialista e Professor Licenciado em Ciências e Biologia pela UFPB e UFCG respectivamente. Atualmente é professor aposentado por tempo de serviço em sala de aula, escritor dos livros CONCEITOS E SUGESTÕES PARA VIVER BEM O MATRIMÔNIO, AS DROGAS E A RETA FINAL DA VIDA E VARIAÇÕES POÉTICAS e tem outros livros em andamentos, mora atualmente na cidade de São José de Piranhas – PB. Produz e apresenta todos os sábados o Jornal Terra News pela Rádio Terra Nova FM, 88.7 MHz.

pittadoradio@gmail.com