O intangível tempo

Não se iludam. Não me iludo. Tudo agora mesmo pode estar por um segundo… (Tempo Rei – Gilberto Gil)

Francisco Jarismar de Oliveira (Mazinho)| Colunista

Falar sobre o tempo é refletir sobre os sinônimos perfeitos: nunca e sempre. A nossa relação com ele sempre foi construída em meio ao temor, a angústia, a impotência em um eterno estado de suposições. Esse guardião invisível, abstrato, que não nos dá cabimento, porém não se afasta de nós. Esse algoz a nos perturbar desde os primórdios e para o qual rendemos homenageamos em nossos extremos cronológicos. Soberano, imperioso, ilusório, místico, fantasioso, indiferente, transcendente e atemporal. Ei-lo.

Desde que aqui chegamos e nos facultou o raciocínio, na sua sombra nos debruçamos a elaborar as mais fantásticas aventuras para desvendá-lo, contá-lo, dividi-lo em quantos pedaços pudermos na tentativa de cativar algum domínio sobre a sua metafísica. Nos apropriamos de míseras partículas do seu imensurável todo quando estabelecemos os tempos cronológicos com seus relógios e calendários; nos tempos geológicos e suas mudanças na face terrestre e, ainda, no tempo histórico e as mudanças provocadas pela ação dos homens nas sociedades.

Muitas são as nossas versões para delimitá-lo. Para os judeus tudo começou a seis mil anos com a criação do universo. Já para os muçulmanos o ano da fuga de Maomé de Meca para Medina, em 622, dá início a contagem do tempo. Os cristãos e a sua popularidade no ocidente demarcaram o nascimento do Cristo como o ponto de partida da história e estabeleceram um tempo mais amplo com o antes de Cristo (a.C.) e o depois de Cristo (d.C.).

Para os maias, astecas, incas e outros povos pré-colombianos da América o tempo era um ciclo, uma repetição eterna. Este conceito se avizinha da ciência quando sir Isaac Newton, no século XVII, discorreu sobre um tempo “absoluto, verdadeiro e matemático, que transcorre uniformemente”. Ao que acrescentou Albert Einstein, já no século passado: “- Para nós, físicos presunçosos, passado, presente e futuro são apenas ilusões”.

Todo esse tracejar de notas sobre o tempo é para nos levar a uma simples reflexão: o tempo nos pertence enquanto aproveitamos o ensejo para fazer acontecer. Deixar para depois aquele abraço é endereçá-lo a um tempo sem direção conhecida e sem retorno possível. O tempo é agora, está aqui e não faz aniversário, não envelhece. Se não é o absoluto de Newton, nem o relativo de Einstein é o eterno e ininterrupto para todos nós.

Sejamos generosos no carpe diem. Não deixemos para daqui a pouco o que podemos fazer já. O ontem e o amanhã são rotas incognoscíveis, pois pertencem ao tempo, nunca a nós. Já o presente, este, sim, é nosso. Podemos plantar nele o que bem quisermos. E é esse o nosso único elo com o tempo – o agora. Mario Quintana, no poema O Tempo, lamenta: “- Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.” Para não perder tempo! Arremato.

Ame, grite, abrace, beije e viva intensamente cada instante. Não espere que uma simples mudança de ano cronológico venha a mudar sua vida. Você está no comando e pode mudar cada segundo de sua vida a despeito do tempo. Portanto, repito com Carl Sagan: “- Diante da vastidão do tempo e da imensidão do universo, é um imenso prazer para mim dividir um planeta e uma época com você.” Feliz vida! Feliz hoje!! Feliz agora!!!

FRANCISCO JARISMAR DE OLIVEIRA (Mazinho)
Licenciado em História pela UFPB
Servidor Público Federal do IFPB

Mazinho

Mazinho

Francisco Jarismar de Oliveira (Mazinho) é Licenciado em História pela UFCG; Especialista em Informática em Educação pela UFLA e Servidor Público Federal do IFPB.
fjarismar@gmail.com