Não há nada pra Temer!

“E no mundo dizem que são tantos Saltimbancos como somos nós. “
(Todos juntos – Chico Buarque – Os Saltimbancos Trapalhões)

Francisco Jarismar de Oliveira | Colunista

Não, não estou lunático. Michel Temer lançou candidatura à reeleição! Isso nos leva a reler Alice no País das Maravilhas (recomendação de Raul Seixas) e rever o filme de J. B. Tanko, Os Saltimbancos Trapalhões, do início da década de 80 (recomendação minha).

A adaptação de Chico Buarque para o teatro (depois adaptado para o cinema) do texto italiano de Sergio Badotti e Luis Enriquez Bacalov, discute temas como desigualdades sociais, a corrupção dos poderosos, o drama dos menores abandonados e a fome. A trilha sonora é também do grande compositor e nos remete a um saudosismo arrepiante e a reflexões atualíssimas.

Na música “Meu caro Barão” já temos, na primeira estrofe, um afago para um corrupto quando canta-se: “Onde quer que esteja, Meu caro Barão, São Brás o proteja, O santo dos ladrão!” musicando uma clara denúncia ao comportamento infame do dono do circo. Aquele que vivia a explorar, a assaltar os míseros ordenados dos contra regras no circo Batholo. Assim porta-se o mandatário maior do “circo brasil” com sua famigerada política econômica e a horripilante proposta de reeleição.

A popularidade do Barão junto aos telespectadores da época e a de Michel Temer nos dias de hoje se anulam. Contudo, o mais impopular de todos os presidentes brasileiros acredita que há um mágico hipnotizador, tipo Assis Satâ, que irá nos “popotizar” (como dizia Didi, no filme) revertendo inferno em céu… Continuemos a música: Pronto, Ponto, Tracinho, tração. Linha, Margem. Meu caro Barão.

O Temeroso disse: – “Acho que seria uma covardia não ser candidato. Porque, afinal, se eu tivesse feito um governo destrutivo para o País eu mesmo refletiria que não dá para continuar. Mas, pelo contrário, eu recuperei um País que estava quebrado. Literalmente quebrado. Eu me orgulho do que fiz. E eu preciso mostrar o que está sendo feito”, (Oi?!). Bom, o que está sendo feito até os marcianos estão vendo! Quanto a nós, temos completa dificuldade em sobrevivermos às balas perdidas!

O circo, como no filme, está indo a bancarrota, o público diminui a cada dia e já percebem o Barão como um palhaço. A plateia dos patos amarelos, paneleiros e similares não quer mais pagar pelo ingresso. O Barão fica com poucos espectadores. O circo vai quebrar? Não sem antes o Temível Barão defender o seu legado e recuperar a bilheteria até outubro! (Quê?!)

O eMeDeBista converteu-se às leis do engenheiro espacial Edward Aloysius Murphy que, já em 1949, avisou – “Não importa quantas vezes uma mentira for demonstrada, sempre haverá uma porcentagem de pessoas que acreditam que é verdade.” Traduzindo em números esse percentual é de 6%. Convertendo em ingressos o circo já deveria ter cancelado o espetáculo e desarmando a lona. Sigamos cantando: Linha, Margem, Etcétera e tal. Pronto. Ponto. E ponto final!

Mas, Mark Twain, escritor e humorista norte-americano nos disse que uma mentira pode dar meia volta ao mundo enquanto a verdade ainda está calçando os sapatos. Talvez nisso, o aflito Barão Michel Miguel Elias Temer Lulia esteja confiante. Essa ânsia por uma reeleição quiçá fosse incongruente meses atrás, porém o temeroso Barão já escapou de duas investidas pelo fim do seu picadeiro. Com essa estimulante verdade, animou-se!

E nós, o que desejamos que seja verdade? É importante nos fazermos essa pergunta! O que queremos por verdade é o trapézio em que nos alçaremos e do qual nos atiraremos em queda livre com a certeza de que não vamos nos espatifar no chão, desde que tenha uma outra pessoa, no mesmo número espetacular, a nos dar sustentação. Sozinhos o solo é o fatal caminho.

O filme, estrelado pelos Trapalhões Didi, Dedé, Mussum e Zacarias encerra com uma linda música, interpretada por Lucinha Lins que nos traz, ainda hoje, um inspirador refrão: Todos juntos somos fortes. Somos flecha e somos arco. Todos nós no mesmo barco. Não há nada pra temer. – Ao meu lado há um amigo, que é preciso proteger. Todos juntos somos fortes. Não há nada pra temer!

FRANCISCO JARISMAR DE OLIVEIRA (Mazinho)
Licenciado em História pela UFPB
Servidor Público Federal do IFPB

Mazinho

Mazinho

Francisco Jarismar de Oliveira (Mazinho) é Licenciado em História pela UFCG; Especialista em Informática em Educação pela UFLA e Servidor Público Federal do IFPB.
fjarismar@gmail.com