Drª Paula pede inclusão de acadêmicos, médicos residentes e grupo de trabalhadores da rede hospitalar na lista prioritária para vacinação da Covid-19

Por:

A parlamentar pede, também, a inclusão de Oficiais de Justiça estaduais e federais que atuam no Estado.

Por meio de requerimentos, a deputada Drª Paula Progressistas) solicita a inclusão na relação de atividades essenciais para efeito de vacinação da Covid-19 o grupo de acadêmicos dos cursos de Ciências da Saúde de faculdades e universidades sediadas na Paraíba; médicos residentes em hospitais e posto de saúde no Estado.

A parlamentar solicita, também, a inclusão de trabalhadores da Saúde, tais como funcionários de policlínicas municipais, UTIs, maternidades, centro de quimioterapia, de transplante renal entre outras especialidades do ambiente hospitalar.

Os requerimentos da parlamentar estão em trâmite na Assembleia Legislativa da Paraíba e foram tema de debate na sessão da ALPB, realizada nesta terça-feira (6). Na mesma sessão, Drª Paula apresentou uma emenda ao projeto de lei nº 2.111/2020, de autoria do deputado João Gonçalves, que trata da ordem de prioridade para aplicação da vacina contra a Covid-19.

Na justificativas, deputada ressalta que todos os profissionais e trabalhadores elencados nos requerimentos atuam na linha de frente, estando assim, inevitavelmente, vulneráveis ao contágio e a transmissão do novo Coronavírus (Covid-19), “cujo risco é potencializado na consecução das atividades que lhe são inerentes”.

Drª Paula afirma que, nos casos relativos ao pessoal da área médica e hospitalar, não há o que se discutir quanto ao grau de vulnerabilidade ao contágio da Covide-19.

Oficiais de Justiça

Quanto à categoria de Oficiais de Justiça, a parlamentar informa que estes profissionais, assim como os da Saúde, estão também expostos ao contágio. Ela informa que em torno de 800 (oitocentos) Oficiais de Justiça estaduais e mais 150 (cento e cinquenta) federais estão na linha de frente do poder judiciário, trabalhando na rua de forma presencial.

“Para tanto, as atividades do Oficial de Justiça transcendem as paredes dos fóruns, sendo, essencialmente, de natureza externa, realizadas onde estiver ocorrendo o conflito”, argumenta.

Notícias relacionadas:

Paraíba
Paraíba
Policial