Novo prefeito de Patos vai demitir comissionados e contratados

Por:

Ivanes foi eleito presidente da Câmara e assume a prefeitura de Patos interinamente (Foto: Divulgação)

“Será uma medida extrema, mas necessária”. Foi assim que resumiu o novo prefeito interino de Patos, Ivanes Lacerda, ao falar da primeira ação a ser colocada em prática na gestão que se inicia. Ele foi eleito presidente da Câmara Municipal nessa sexta-feira (23), o que o levou a assumir interinamente o comando da administração da cidade. Ele revelou que o próximo passo agora, após a eleição, será demitir todos os contratados e comissionados para enxugar a folha e equilibrar as finanças.

Ivanes Lacerda é eleito prefeito interino de Patos em votação na Câmara
“Estou me reunindo com o jurídico, com a Procuradoria do Município, para lançar um decreto e tomar uma medida amarga. O primeiro decreto será para demitir todos os comissionados e contratados, deixando apenas aqueles dos serviços essenciais. Isso vai mexer com muita gente, vai desagradar a muitos, mas não há outra saída”, lamentou.

Ivanes Lacerda acrescentou que a partir de agora é fazer o melhor, com o menor custo. “Vou procurar me cercar de agentes políticos, deputados, vereadores, senadores para buscar a ajuda de todos eles. Depois vou buscar os agentes públicos, que são os servidores, para que eles entendam a situação. E também da população, porque o preço a pagar é alto e infelizmente todos estão sofrendo. A população vai fiscalizar nossa gestão e ajudar a mudar os rumos dessa cidade”, ressaltou.

O novo prefeito interino ainda não tem certeza do rombo financeiro que irá encontrar na prefeitura. Especula-se que seja de, ao menos, R$ 80 milhões. Contudo, ele falou que ainda está no processo de transição para tentar descobrir o valor exato.

“A eleição foi ontem (sexta). Nós agora estamos fazendo a transição, obtendo informações para saber a real situação do município”, informou, acrescentando que o mesmo está acontecendo com relação aos fornecedores da prefeitura. Ainda não há como saber, conforme Ivanes, que contas estão a ser pagas.

ClickPB

Notícias relacionadas:

Cidades
Brasil
Política