Policiais civis não aderem à greve dos PMs na Paraíba

Por:

Depois de anunciarem greve no fim da tarde desta segunda-feira (28), a Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba (ASPOL) distribuiu nota à imprensa, por volta das 20h40 desta noite, para anunciar que os Policiais Civis das categorias de Agente de Investigação, Escrivão de Polícia e Motorista Policial, decidiram não aderir à greve da Polícia Militar programada para acontecer a partir da zero hora desta terça-feira (1º de março). Segundo a nota, eles estarão desempenhando normalmente suas funções.

Confira a íntegra da nota abaixo:

A Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba – ASPOL/PB, vem por meio desta comunicar à população paraibana, à imprensa e a quem mais interessar possa, que os Policiais Civis das categorias de Agente de Investigação, Escrivão de Polícia e Motorista Policial, estarão desempenhando normalmente suas funções, efetuado todas as suas Atribuições Legais e não irão aderir a greve decretada pelos policiais militares na tarde de hoje. Temos que admitir que o canal com o governo está aberto. Vamos usar o bom senso e vamos dialogar para chegarmos a uma proposta que contemple nossas perdas salariais.

A entidade não participará do movimento.  Os policiais civis entendem a difícil situação que passa o atual governo, pois sabemos que não foi essa gestão que criou essa situação.
A ASPOL/PB representa os Agentes de Investigação, os Escrivães de Polícia e os Motoristas Policiais. Não acreditamos também que os policiais do IPC irão parar. Também vemos que apenas uma parte dos delegados vai aderir ao movimento. É preciso que Governo e Policiais cheguem a uma solução que contemple o reajuste justo para cada categoria e que também respeite as Leis impostas ao Governo. A greve policial só deve ser tomada em última instância, quando se esgotarem todas as formas de negociação e não foi isso que aconteceu.

O governo mostrou que está querendo negociar, por isso não podemos tomar esse tipo de decisão agora, e entendendo que o Governo atual tem pouco menos de 2 meses de gestão e que o prazo solicitado pelo Governo para apresentação da Proposta é coerente a categoria policial civil considera que as negociações com o atual governo vêm se desenvolvendo, pelo que optou por conceder o prazo  para que a equipe econômica possa estudar os números solicitados pelos policiais civis e apresentar nova proposta.

Participar desta paralisação somente iria prejudicar a população paraibana, que sofre com a onda de insegurança que vem se alastrando por todo o estado, e o compromisso dos policiais civis da Paraíba é acima de tudo com a segurança do povo paraibano, o qual ficaria em caso de adesão do movimento, completamente órfão dos serviços da instituição. Em respeito à população a Categoria PERMANECERÁ cumprindo as suas atividades.

Por fim, reiteramos que os policiais civis paraibanos demonstram mais uma vez a responsabilidade com suas atribuições e esperam que o governador RICARDO COUTINHO possa CUMPRIR a sua palavra, Aumentando a Remuneração Atual e repondo as perdas salariais dos policiais civis da Paraíba.
 
João Pessoa, 28 de fevereiro de 2011.
 
Sandro Roberto Bezerra
Presidente
 

Notícias relacionadas:

Cidades
Cidades
Paraíba