HRC redobra a higienização contra a superbactéria KPC

Por:

A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) do Hospital Regional de Cajazeiras (HRC) acaba de se antecipar e colocar em prática seu plano de prevenção de surtos com bactérias multirresistente a antibióticos, em especial a KPC, que já soma 18 casos de contaminação na Paraíba, registrados no Hospital Universitário, em João Pessoa. Segundo a enfermeira do CCIH, Hérika Nunes, o HRC está tomando todas as providências para evitar a contaminação em sua estrutura. O uso de álcool em gel, cuidados redobrados em higiene na unidade e o uso controlado de antibiótico foram algumas das medidas tomadas.

“Estamos bastante atentos à higienização tanto do pessoal que circula no Hospital, quanto dos equipamentos e dependências em geral”, disse a enfermeira Hérika, destacando que em todos os setores do HRC o uso de álcool em gel agora é obrigatório para todos os profissionais de saúde, como também para os visitantes. Além disso, os cuidados com a limpeza dos ambientes e o controle do uso de antibióticos foram redobrados.

As precauções, conforme a enfermeira, têm fundamento na principal causa de transmissão da superbactéria KPC, que tanto pode ser transmitida por um simples aperto de mão, como por meio de instrumentos hospitalares, sendo esta o mais comum dos contágios. O maior problema no seu combate, no entanto, é sua alta resistência aos antibióticos disponíveis no mercado, tendo em vista que a superbactéria produz uma enzima, a KPC (Klebisiella pneumoniae carbapenemase), capaz de inativar os antibióticos mais potentes disponíveis para o tratamento de infecções graves.

Para o diretor geral do HRC, Dr. Antônio Fernandes Filho, essa é uma iniciativa importante e que todos os hospitais devem ter para evitar a proliferação dessa superbactéria. “No HRC estamos tomando todo o cuidado para evitar contaminação, pois as pessoas mais afetadas que temos visto são os pacientes em estado grave, principalmente aqueles internados em UTIs e bastante debilitados”, disse o diretor, alertando todos os visitantes e profissionais a terem bastante atenção quando à higienização de mãos, braços e instrumentos quando estiverem em ambientes hospitalares. “Use álcool em gel, use instrumentos esterilizados e evite entrar em contato com pessoas contaminadas”, observa.
            
Dos 18 casos de contaminação pela superbactéria na Paraíba, 11 foram registrados este ano e sete em 2009. O termo “Superbactéria” é, na realidade, uma palavra que vale não só para um organismo, mas para todas as bactérias que desenvolvem resistência aos antibióticos e que em função de mutações genéticas ao longo do tempo, passam a produzir enzimas que as transformam em “blindadas” para muitos medicamentos. No Brasil, além da KPC, circula outra bactéria multirresistente, a SPM-1 (São Paulo metalo-beta-lactamase).
 

Notícias relacionadas:

Política
Paraíba
Policial