Amorim homenageia músico morto em acidente

Por:

A Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) realizou na tarde desta sexta-feira (22) uma sessão solene em homenagem (in memoriam) ao trombonista Radegundis Feitosa, morto em acidente automobilístico em julho deste ano. A sessão foi proposta pelo vereador Geraldo Amorim (PDT) e contou com a participação de familiares, amigos e pessoas ligas à música.

O presidente da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope), o cantor e compositor Chico César, destacou que estava ali como músico e como gestor de cultura e enfatizou que de Radegundis, dentre tantos outros exemplos que deixou, um deles foi o de preferir seguir sua carreira aqui na Paraíba. “Ele podia ter tido uma carreira de destaque no Brasil e no exterior, como solista, mas decidiu frutificar no seu estado”.

Heleno Feitosa, irmão de Radegundis, falou em nome da família e bastante emocionado disse que o músico era uma pessoa muito abençoada. “As lembranças que afloram mexem muito com meu coração e por isso peço a compreensão de vocês se acaso chegar às lagrimas, como já cheguei”. Por varias vezes ele teve que interromper seu discurso para se recompor e enxugar as lágrimas.

Feitosa destacou que seu irmão sempre estava à disposição para ajudar as pessoas. “É está imagem que guardamos do músico, do amigo, do irmão Radegundis”.

Estiveram presentes ainda à sessão o representante do Laboratório de Música da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Marcílio Onofre; o tenente Carlos Ramos, regente da guarnição federal na Paraíba (Exército); e o presidente da Ordem dos Músicos do Brasil na Paraíba (OMB-PB), Benedito Honório; além do vereador Nélson Lira (PT). Durante a sessão, o ‘Quinteto Brasil’, da qual Radegundis fazia parte, se apresentou aos presentes.

Perfil – Radegundis Feitosa Nunes era doutor em trombone performance pela ‘The Catholic University of América’, de Washington D.C., U.S.A (1991); mestre pela ‘The Juilliard School’, de New York, U.S.A (1987); e bacharel pela Universidade Federal da Paraíba (1983).

Natural de Itaporanga (PB), estudou com Edmílson Pinto e integrou a ‘Filarmônica Cônego Manoel Firmino’, do Colégio Diocesano D. João da Mata, sob a direção de Severino Ferreira. Durante os estudos de graduação, foi orientado pelo professor Jacques Ghesten, trombone principal da Orquestra Sinfônica da Paraíba na época e nos cursos de mestrado e doutorado pelo professor Per Brevig, trombone principal do ‘Metropolitan Opera House’, em New York-U.S.A.

Foi premiado em concursos nacionais e internacional, como o ‘East & West Artists’ para debut, no Canegie Recital Hall, em New York, U.S.A. Apresentou-se como solista, camerista e instrumentista de orquestra em centros musicais importantes do Brasil, Estados Unidos e Europa. Desenvolveu atividade didática intensa no Departamento de Música da UFPB e nos vários festivais de música do Brasil.

Foi o presidente fundador da Associação Brasileira de Trombonistas, sendo o trombone principal da Orquestra Sinfônica da Paraíba e trombonista do Brassil (Grupo de metais e percussão).

Notícias relacionadas:

Paraíba
Política
Paraíba