Juiza pede vistas e decisão sobre Cássio é adiada no TRE

Por:

A juiza Niliane Meira pediu vistas do processo e o julgamento do ex-governador Cássio Cunha Lima é mais uma vez adiado.

A juiza foi a terceira a se pronunciar. Antes, o relator, juiz Carlos Neves, já havia votado pela inelegibilidade do ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB), por oito anos, e ainda a aplicação da multa no valor de R$ 100 mil Ufis.

O  juiz João Ricardo Coelho,segundo a votar, acompanhou o voto do relator e votou pela inelegibilidade de Cássio e aplicação de multa.

Com o pedido de vistas a sessão foi interrompida, mas o candidato ao Senado pelo PSDB já tem contra ele dois votos. O processo deverá voltar à pauta do Tribunal daqui a duas sessões.

A sessão chegou a ser interrompida por 10 minutos. Antes, os juizes já haviam rejeitado as duas preliminares levantadas pela defesa de Cássio Cunha Lima.

A primeira pedia a extinção do processo, ao alegar “perda do objeto”, pois o ex-governador já teve seu mandato cassado pela justiça. A segunda alegava que o então vice-governador José Lacerda Neto (DEM) não foi incluído como litisconsorte no processo.

A Corte Eleitoral também acatou o entendimento do procurador do Ministério Público Eleitoral, Werton Magalhães, e do relator do processo, juiz Carlos Neves, e negaram, por unanimidade, a inclusão da certidão do Tribunal de Contas do Estado (TCE) que aprova as contas do ex-governador Cássio Cunha Lima, em 2006, ao processo.

O procurador do MPE, Werton Magalhães, pediu a rejeição da inclusão da certidão do TCE por estranhar que ela estivesse assinada pelo diretor de Auditoria e Fiscalização, Francisco Lins Barreto Filho e pelo diretor Executivo Geral, Severino Claudino Neto, e não do seu presidente, Nominando Diniz.

Já o relator do processo disse que o documento deveria ter sido juntado aos autos anteriormente. "Esse documento já deveria ter sido incluído pelo maior interessado na ação e não apenas hoje pelo PSDB", salientou.

Notícias relacionadas:

Cidades
Policial
Política