Laíz Silveira, em entrevista ao Radar Sertanejo, fala sobre sua carreira na TV Miramar

Por:

Laíz Silveira, repórter da TV Miramar e editora-chefe do “Programa Balanço Total” no mesmo canal (uma revista eletrônica com dicas, entrevistas, reportagens e coberturas de eventos sociais do estado), fala ao Radar Sertanejo sobre sua carreira na televisão e no campo da comunicação.

Laiz é Bacharel em Comunicação Social, Relações Públicas, Radialista, produtora, repórter, atriz e colunista do portal www.radarsertanejo.com além de escrever também para o site www.salesdantas.com.

Veja a entrevista:

RADAR – Há quanto tempo você atua no campo da comunicação?

LAÍZ – Comecei na prática, na verdade, aos 16 anos quando, pela primeira vez, conheci um estúdio de televisão e pude ver de perto o dia-dia desses profissionais.
Num belo dia de sábado, assisti ao programa humorístico da Tv O Norte chamado “sábado de graça”, com direção e texto de Cristóvam Tadeu, em seguida mandei uma carta ao mesmo criticando alguns temas e contextos abordados no programa. Ele me respondeu e me desafiou: eu teria que elaborar um roteiro (vale salientar que nunca tinha visto um e que ainda tinha 16 anos) de mais ou menos 25 páginas! Se eu o critiquei, eu teria que no mínimo fazer o que ele fazia. Foi o que eu fiz. Em três dias entreguei um roteiro ao mesmo e foi quando ele me chamou de louca – brincando e admirado – e me chamou para participar do programa, escrevendo roteiros. Sem falar que aos 10 anos – por aí – eu entrevistei brincando, claro, o tão lembrado palhaço pipoquinha, numa visita escolar, também à Tv O Norte.

RADAR – Como surgiu o interesse pela profissão?

LAÍZ – O interesse, na verdade, não é só pela profissão, mas pelas PALAVRAS, pela COMUNICAÇÃO, pelo prazer de estar em permanente contato com o outro e com os mundos e meu mundo, enfim! Além, claro, pelo desafio cotidiano e movimentado dessa profissão.

A paixão pelas palavras surgiu desde criança, quando a professora de redação me mandava escrever uma lauda e eu acabava escrevendo muitas vezes 3 ou 4. Foi quando descobri meu .. não diria dom, porque Deus não dá privilégios à ninguém, mas descobri o que sabia e gostava de fazer.

Na verdade não tenho UMA profissão. São várias. Sou repórter durante a manhã na Tv Miramar e à tarde, na mesma empresa, sou editora-chefe do Programa Balanço Total, e nas horas que me restam – que são poucas – escrevo meus textos que não considero colunas, mas sim reflexões.

RADAR – E como você ingressou na televisão?

LAÍZ – Bem, a minha história profissional é praticamente a mesma da Tv Miramar. Ainda estudando, quase todos os dias, saía de casa em direção às emissoras da capital para encontrar uma oportunidade. Ficava no cantinho dos estúdios observando e achando tudo tão inacessível! Foi então que num dia, eu estava na primeira transmissão ao vivo do programa de Giovanni Meirelles, na Tv Miramar, quando o apresentador Sales Dantas vei a conversar comigo e me perguntou o que eu estava fazendo ali, qual era meu grau de instrução, se eu já havia trabalhado em Televisão e etc. No mesmo dia, assisti à uma gravação de um quadro do programa do mesmo, que iria estrear dois dias depois. Nesse sábado, comecei a digitar textos para a tv e acabei me tornando a produtora, editora, repórter e coordenadora de produção do programa! Foi muito difícil na época, porque tive que aprender na marra, o que eu nunca havia aprendido com ninguém. Mas graças à Deus, ao dia-dia e há alguns anjos que apareceram nessa minha trajetória e que estão nela até hoje, graças a Deus, foi que consegui chegar onde estou e se Deus permitir, chegarei onde Ele determinar…

RADAR – Podemos perceber que você faz reportagens mais com assuntos diversificados. Já nos artigos aborda mais o lado humano e psicológico, reflexivo. Em que área(s) você gosta mais de atuar?

LAÍZ – Um bombeiro não pode dizer que gosta de resgatar mais crianças ou um gato na árvore. A profissão que ele escolheu foi para salvar vidas, o prazer de estar sempre à disposição do outro e em favor do outro. Na nossa profissão não é diferente, como já falei, gosto do desafio de estar numa hora no Palácio da Redenção e minutos depois numa comunidade humilde ajudando a quem precisa. Nossa profissão não dispõe o querer, mas disponibiliza a chance de conhecermos e termos contato com os mundos fora do nosso e poder contribuir para o crescimento dos mesmos.

RADAR – Qual é a sua “satisfação” em colaborar como colunista do Radar Sertanejo?

LAÍZ – É mais uma oportunidade de expansão de idéias. As novas tecnologias faz o mundo conhecer-se melhor sem barreiras. A internet possibilita um acesso muito mais rápido e barato às obras de boa qualidade, quando se vai atrás delas. Um site dessa categoria é importante para a divulgação e ampliação dessas obras. O melhor é que se pode descobrir talentos outros, que precisam apenas de uma oportunidade para se expressarem.

Dida Gonçalves
Da redação do Radar Sertanejo

Notícias relacionadas:

Política
Política
Paraíba